Trabalhar mais faz você ganhar ou perder mais?

Não faz muito tempo que o termo workaholic ficou bastante conhecido no mundo, mas trabalhar mais nem sempre é a solução para ter mais produtividade

Trabalhar mais faz você ganhar ou perder mais?

Aquela tão sonhada promoção para se tornar gerente de marketing finalmente havia chegado, depois de quase 10 anos de dedicação a empresa, a recompensa era recebida. O objetivo da vida de Valéria era trabalhar mais e mais para ganhar mais e ter mais sucesso.

Com um cargo de destaque, finalmente ela iria poder comprar seu apartamento, trocar de carro e até viajar para Paris.

Logo, aquele que era um sonho, foi se tornando um verdadeiro pesadelo. As caminhadas na praia no final do dia já não eram mais possíveis. Os sábados em sua casa se tornaram extensão do escritório, e tudo o que ela fazia no dia a dia era pensando em resolver problemas e aprimorar ações da empresa.

Seis meses depois daquele cargo e um ataque de pânico durante uma reunião. Suas mãos formigando, taquicardia e uma sensação de que iria morrer a qualquer momento. Será que tenho problema de coração e nem sei?

Direto pra sala de emergência, doses de calmante e uma sentença: ou você diminui o ritmo de trabalho ou verás sua saúde definhando cada vez mais.

Trabalhar mais faz você ganhar mais? Valéria tinha comprovado na pele o quanto havia perdido com tantas horas de trabalho a mais.

Quantas horas por semana você tem se dedicado ao trabalho? Você tem cancelado compromissos com amigos alegando falta de tempo? Essa sua carga horária de trabalho elevada pode estar fazendo você perder em diversos sentidos.

Afinal, será que trabalhar mais faz você ganhar ou perder mais? É sobre este tema que vamos refletir no artigo de hoje.

Não faz muito tempo que o termo workaholic ficou bastante conhecido no mundo, ele é utilizado para explicar aquelas pessoas que priorizam o seu trabalho acima de qualquer coisa.

Inclusive, no mercado de desenvolvimento de software existe esta ideia de que trabalhar mais é bacana. Na China, por exemplo, devido a alta competitividade do mercado de tecnologia, é muito comum os escritórios oferecerem camas e cozinha completa para seus colaboradores.

Uma espécie de extensão da casa? Ou a própria casa?

Apesar dos japoneses e americanos serem vistos por muitos como símbolo de país modelo e de sucesso no trabalho, a rotina exaustiva de muito trabalho, não é de forma alguma positiva.

Na realidade, os considerados workaholic são pessoas que acabam drenando sua própria energia e negligenciando a saúde e o bem estar. Será que existe algum benefício em trabalhar demais?

Geralmente, as pessoas fazem horas extras para ganhar mais e/ou ser bem visto pela chefia. Para se ter uma ideia, no Japão, o primeiro a sair do escritório pode ser visto como alguém preguiçoso e que não leva tão a sério sua vida profissional.

Se sair antes do chefe então, é quase que um suicídio de carreira.  Triste, não é verdade? Até porque, trabalhar demais não é a resposta.

Rotinas excessivas com mais de 50 horas por semana, além de não significar exclusivamente o progresso na carreira, e muitas vezes nem no salário, pode gerar problemas sérios para a sua saúde.

Por isso, é essencial fazermos esta reflexão sobre trabalhar melhor, e não mais. Produtividade não significa trabalhar mais e sim trabalhar melhor, com inteligência.

Mas como fazer isso diante de um mundo cada vez mais competitivo, onde a crise econômica assola o país, e o desemprego cresce?

Sem dúvida, este é um desafio que precisa ser encarado com inteligência e tranquilidade para não meter os pés pelas mãos.

O que se ganha trabalhando mais?

Algumas empresas oferecem horas extras pagas, outras acordam com seus colaboradores, horas de descanso e/ou dias de folga para compensar as horas trabalhadas além do horário. O conhecido banco de horas.

Como tudo na vida, precisamos sempre ponderar, definir metas e questionar se determinada decisão não irá prejudicar nossa vida pessoal e nossa saúde.

Tudo é questão de equilíbrio, se você tem como objetivo tirar alguns dias a mais no feriado para poder viajar e descansar, fazer horas extras e trocar por dias de folga pode ser uma boa alternativa.

Está planejando dar entrada num carro novo? Um acordo de horas extras pagas por um período de dois meses, por exemplo, também pode ser uma solução.

Veja como é importante ter um objetivo, além de pensar no benefício próprio. Não é só focar em questões de carreira e salário.

Inclusive, trocar horas extras não pagas pode ser um péssimo negócio tanto para colaboradores quanto para empresas.

Um estudo realizado pela Universidade de Stanford apontou que a produtividade dos colaboradores diminui consideravelmente após mais de 50 horas trabalhadas por semana.

Alguém que trabalhe mais de 70 horas por semana, por exemplo, se torna incapaz de manter a qualidade. Neste caso, os erros acabam aumentando. Logo, o retrabalho que será necessário pode converter mais horas em menor produtividade.

Trabalhar demais e seus efeitos negativos

Do que adianta trabalhar tanto e não puder aproveitar a vida? Alguns ganham muito dinheiro fazendo horas extras? Talvez sim, Mas qual é o sentido de ganhar tanto dinheiro quando não se sobra tempo para desfrutar?

Um ponto importante para refletir é os efeitos negativos de tantas horas de trabalho.

Estudos apontam que horas de trabalho excessivas afetam o trabalhador em diversos sentidos. Vamos citar a seguir alguns deles:

  • Maior propensão à depressão
  • Excesso no consumo de cigarro e álcool
  • Ganho de peso
  • Surgimento de problemas cardiovasculares
  • Dificuldades nas relações interpessoais
  • Perda de memória
  • Diminuição da capacidade de tomar decisões
  • Menor produtividade
  • Infelicidade
  • Entre outros

Como podemos observar, existem muitos pontos negativos quando se trabalha demais. Não é assim tão glamuroso ostentar na roda dos amigos que está trabalhando demais.

Estamos vivendo novos tempos, onde os métodos tradicionais parecem não funcionar mais.

Uma vida inteira trancafiada em um escritório cinza, sem ver o por do sol, sem sentir o cheio da maresia da praia.

Essa tentativa de acúmulo de riquezas está fazendo executivos ultrapassarem seus limites, com altos índices de estresse e de casamentos chegando ao fim.

Para se ter uma ideia, em 2015 um trabalhador do mercado financeiro de Tóquio registrou através de um vídeo depois publicado no YouTube, uma semana movimentada de sua rotina de trabalho.

Foram mais de 78 horas de trabalho e apenas 35 horas de descanso e sono durante uma semana. Depois de um período de quase 80 horas de trabalho em semanas e semanas, o trabalhador chegou a desmaiar em seu apartamento e acabou ficando doente, assim como outras pessoas do escritório.

Vídeo:

 

E sabe o que é pior? Trabalhar e se dedicar tanto para enriquecer outras contas bancárias que não a sua.

 

Será que é realmente necessário trabalhar oito ou mais horas por dia?

Sair de casa bem cedo e voltar quando já é tarde da noite é triste demais!

Alguns líderes importantes e grandes empresas já estão começando a repensar o seu modelo.

O fundador e presidente do Google, Larry Page, chegou a declarar que uma jornada de oito horas por dia de trabalho não é necessária. Simplesmente não funciona mais. Agora imagine quem trabalha 10, 12 horas por dia?

De acordo com Page, as empresas têm condições de reduzir essa carga desnecessária, oferecendo oportunidades de jornadas parciais.

O próprio Google, por exemplo, já conta com um benefício onde os colaboradores podem usar 20% do expediente para poderem se dedicar a projetos pessoais.

A empresa também oferece uma licença de três meses para que os colaboradores possam realizar atividades, viajar, tirar um período sabático, entre outros.

Mesmo sendo uma licença não-remunerada, você ia curtir essa ideia ou não? Tempo livre é o que todos estamos buscando em um mundo cada vez mais rápido, onde temos a sensação de estarmos em emergência 24 horas por dia.

Estou trabalhando demais, hora de rever isso!

Seus amigos convidam para uma cerveja no bar e você logo responde que não tem tempo? Suas amigas marcaram almoço no meio do expediente, só que você nem sabe mais o que é pausa para comer?

Foi-se o tempo em que alegar excesso de trabalho era algo encarado como um grande símbolo de sucesso. “Fulano trabalha demais, não tem tempo pra nada”, “Ele tem um cargo importante, não tem tempo para besteiras”.

Pois esse fulano pode estar dando mais importância para coisas de menor relevância na própria vida.

Está na hora de começar a pensar duas, três vezes na hora de dizer sim para horas extras.

Negar horas extras é uma forma de poupar também a sua saúde mental e principalmente do coração. Um levantamento realizado da Universidade College London, no Reino Unido, confirmou que passar muito tempo no ambiente de trabalho pode aumentar o risco de seu coração passar a bater em descompasso por causa da chamada fibrilação atrial.

Este tipo de arritmia é um dos mais comuns e afetam pessoas no mundo todo. E sabe o que isso pode acarretar? Insuficiência cardíaca e até AVC.

Será que vale a pena correr esse risco?

Neste mesmo estudo, publicado no European Heart Journal, cerca de 85 mil homens e mulheres foram analisados.

Inicialmente os voluntários não chegaram a apresentar o quadro de fibrilação atrial.

Porém, depois de aproximadamente 10 anos de estudo, o número alarmante de 1.061 pessoas foram diagnosticadas com o problema.

link para o estudo.

Carga horária de 6 horas trabalho, o sonho e o ideal

Para aproveitar mais a vida e não ser pego de surpresa por uma doença cardíaca, a carga horária de trabalho ideal é a de seis horas por dia.

Carga horária 6 horas de trabalho

Empresas suecas, por exemplo, já reduziram a sua carga para 6 horas e notam melhora no ambiente de trabalho. Colaboradores mais felizes, menos estressados e com mais perspectiva de vida.

É animador saber que depois das duas da tarde você terá tempo para fazer suas coisas, ir ao mercado sem pressa, pegar um cineminha, passear com o cachorro ou simplesmente desfrutar do ócio.

As empresas suecas e algumas ao redor do mundo que já adotaram ao sistema de seis horas por dia, não tiveram nenhum impacto em relação a produtividade.

Além disso, o ambiente de trabalho se tornou muito mais agradável. As empresas notaram também que os colaboradores passaram a usar melhor o tempo, deixando de lado as redes sociais e focando na produtividade.

Afinal, com o incentivo de ter mais tempo, quem é que vai perder a oportunidade, não é mesmo?

Fica a dica para as empresas brasileiras repensarem seus modelos. Muitas estão perdendo grandes talentos, pois com o advento da internet, novos modelos estão surgindo, como o trabalho freelancer e o nomadismo digital por exemplo.

Quem de fato precisa estar dentro de um escritório para entregar trabalhos e resultados? Com a internet, pessoas estão sendo muito produtivas trabalhando em cafés em Barcelona ou nas praias do Havaí com o sorriso no rosto e o coração gozando de boa saúde.

Como trabalhar melhor

Quer mudar a sua realidade e notou que trabalhar mais faz você perder mais? Comece a planejar a sua estratégia, converse com seus superiores ou tire da gaveta o sonho de ser dono do próprio negócio.

O mundo mudou e trabalhar mais horas já é coisa do passado.


Parcerias: Curso React Direto ao Ponto