Série Mr. Robot: será que todo programador tem um pouco de Eliot?

Saiba mais sobre a série que todo programador deveria assistir, Mr. Robot.

A série Mr. Robot, desde que estreou, em 2015, recebeu elogios da crítica e público ao mostrar a vida de um programador antissocial e com alguns distúrbios mentais. 

Eliot Alderson, o personagem central, é um engenheiro de segurança virtual que trabalha para uma grande empresa de TI.

Como hacker, ele leva uma vida dupla e, fora do expediente, costuma fazer justiça com as próprias mãos descobrindo crimes de usuários na internet.

Além disso, hackeia a vida de outras pessoas por curiosidade, como a de sua terapeuta. Com muita dificuldade em manter uma comunicação com os outros, Eliot prefere a escuridão de seu apartamento. 

Porém, sua vida fica prestes a mudar quando ele é recrutado por um grupo de hackers para atacar uma grande corporação. 

Será que a personalidade excêntrica de Eliot se assemelha com a dos profissionais de programação?

Um pouco mais sobre Mr. Robot

Em Mr. Robot, Eliot Alderson é interpretado pelo ator Rami Malek, que proporcionou excentricidade e tom misterioso ao personagem, dando a liga perfeita. Na trama, Eliot faz terapia, tem apenas uma amiga em que confia e não gosta muito de pessoas. 

Por conta disso, ele acredita que a única maneira de se conectar com os outros é invadindo suas vidas e descobrindo informações pessoais. 

A cada episódio, entre as sessões de terapia do personagem, vamos adentrando um pouco na mente conturbada de Eliot.

Por outro lado, dentro da empresa, ele é visto por seu chefe como o melhor programador, muito dedicado e sempre encontrando soluções para os problemas de segurança. 

Só que na vida pessoal, o personagem precisa lidar com a solidão, depressão, transtorno de ansiedade e transtorno dissociativo de identidade

Embora Mr. Robot seja uma série bem fantasiosa, como a ideia de um grupo hackers anarquistas querendo derrubar o sistema, a trama reúne elementos muito interessantes e faz a gente ficar vidrado a cada episódio.

Acabamos desenvolvendo uma empatia por Eliot e o seu jeito de ser, um pouco estranho e o fato de não gostar de pessoas, faz com que muita gente se identifique. 

Será que os programadores têm um pouco de Eliot?

Assim como Eliot, muitos programadores devem gostar de trabalhar sozinhos, de madrugada. Alguns, ainda devem se identificar com a personalidade antissocial do personagem, mas além das características de Eliot, Mr. Robot traz muito do trabalho da vida real. 

É que a série contou com um consultor tecnológico, responsável por criar alguns dos hacks que aparecem na trama. O responsável por trazer esse universo de tecnologia para série foi Kor Adana, que é o nome artístico de Korhan Gurocak. 

Ele começou a programar ainda na adolescência, lá pelos anos 90, em Detroit. Ficou aproximadamente seis anos trabalhando na área de tecnologia da informação, até que decidiu se aventurar em outra grande paixão, a escrita.

Foi então que decidiu trabalhar como roteirista, e acabou se tornando também consultor de tecnologia da série. Kor foi o responsável em trazer um tanto de veracidade para algumas cenas de tecnologia em Mr. Robot.

Hackeamentos nem tão fictícios assim 

Alguns hacks que aparecem em Mr. Robot que são reais e alguns possíveis: 

  • Quando Elliot abre os portões de uma penitenciária se conectando com o Wifi local. Pode parecer bem ficcional, mas em tese isso poderia funcionar em prisões americanas através de códigos criados para abrir portas de segurança.  
  • Na série, há referências ao sistema Kali Linux, distribuição utilizada com frequência para auditoria e segurança de computadores.  
  • Cena de uma clonagem de um smartphone Android para conceder acesso root e obter todas as informações da vítima. 
  • Uso da ferramenta FlexiSpy, que pode ser usada para roubar dados de outros usuários.

Onde assistir Mr. Robot? 

Para quem ainda não assistiu Mr. Robot, vale a pena maratonar a série, que está disponível na Amazon Prime.

Na Amazon Prime, você encontra as quatro temporadas de Mr. Robot e poderá curtir um pouco da rotina dos hackers. 

Outra coisa bacana que a série quis mostrar foi um universo de programadores mais plural, com mulheres atuando na profissão. De acordo com Kor, sua ideia era inspirar mulheres a se interessarem por tecnologia. 

E você, já assistiu Mr. Robot? Acha que todo programador tem um pouco de Eliot? 
Continue com a gente e aproveite para ler nosso post sobre as profissões para quem quer ser nômade digital, o estilo de vida que vem crescendo cada vez mais.