Vale a pena trabalhar como programador PJ?

Será que vale a pena deixar a CLT para se aventurar como programador PJ? É sobre isso que vamos falar a seguir!

Vale a pena trabalhar como programador PJ

Possivelmente você já passou por uma vaga de emprego que procurava programador PJ e ficou pensando se realmente valia a pena abrir mão da CLT para ingressar nessa nova modalidade, não é mesmo?!

Pois saiba que você não está sozinho, pois muitos profissionais também estão com essa mesma dúvida. Isso porque, especialmente depois da pandemia, muitas empresas que adotaram o home office passaram a dar prioridades para colaboradores PJ.

Porém, nem tudo são flores e é preciso estar bem ciente das vantagens e desvantagens de cada uma dessas modalidades para que seja possível fazer a melhor escolha.

Pensando justamente nisso é que vamos falar aqui um pouco mais sobre esse assunto e entender se vale mesmo a pena trabalhar como programador PJ. Vamos lá?!

Entenda o que é PJ

PJ nada mais é do que a sigla para Pessoa Jurídica, isso é, uma pessoa que tem um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e pode trabalhar como um prestador de serviço.

Isso significa que você pode ser terceirizado ou freelancer, então, não tem qualquer tipo de vínculo empregatício com a empresa. Portanto, dessa mesma forma, também não recebe os benefícios e impostos que um CLT receberia.

O que acontece é que, para as empresas, um funcionário custa muito mais do que apenas o seu salário, pois são inúmeros os encargos legais envolvidos.

Sendo assim, muitas empresas optam por oferecer salários mais altos, porém contratando PJs, livrando-se de todas as obrigações legais que um empregado requer.

Acontece que ser um programador PJ não é uma missão tão simples e não é para qualquer um e é preciso entender alguns detalhes para se dar bem nessa modalidade. 

Como ser um programador PJ?

A primeira coisa a se fazer é abrir um CNPJ com o seu nome ou nome da sua empresa. Lembre-se que a partir desse momento você tem uma empresa e precisa ficar em dia com suas obrigações.

Tendo esse registro, você pode estabelecer contratos com a empresa para a qual vai prestar serviços de programação.

Atenção: é importante que o contrato com a empresa estabeleça limites bem claros em relação aos seus deveres e direitos. Caso você perceba que está sendo requisitado mais como funcionário do que como um prestador de serviços, pode procurar seus direitos para reconhecer o tal vínculo empregatício.

Vamos ver os passos para ser um programador PJ:

1.     Abra um CNPJ: isso pode ser feito online mesmo, de maneira bem simples. Veja aqui!

2.     Faça sua inscrição municipal preenchendo o formulário da prefeitura da sua cidade. Com essa inscrição você poderá emitir nota fiscal, que garante o recolhimento dos seus impostos. (Atenção: prestar serviço sem emitir nota fiscal é crime de sonegação de impostos).

3.     Cadastre-se no INSS (Instituto Nacional de Previdência Social) indo até uma Agência da Previdência Social. Isso garante o acesso a auxílio-doença, auxílio maternidade, aposentadoria e outros.

Um desenvolvedor PJ pode se enquadrar como MEI?

Infelizmente não. O MEI (Microempreendedor Individual) é uma categoria bastante simplificada e uma das melhores opções para quem atua como prestador de serviços.

Contudo, ele é destinado a profissões que não tenham cunho científico ou intelectual.

Então, se você se cadastrar como MEI e emitir uma NFS-e referente a criação de um app, será considerado crime, portanto, não faça.

A melhor opção, nesses casos, é optar por uma ME (Micro Empresa) ou uma EPP (Empresa de Pequeno Porte). 

Vantagens e desvantagens de ser um programador PJ

Como em tudo na vida, existem vantagens e desvantagens que devem ser levadas em consideração na hora de decidir se quer ou não ser um programador PJ.

Vamos começar entendendo as principais vantagens de assumir essa modalidade de trabalho:

  • Maior flexibilidades: como programador PJ você terá uma tarefa e um prazo e pode trabalhar da forma que preferir para cumprir o contrato.
  • Maior liberdade de escolha: o contratante possui uma demanda e, se você se interessar, oferece uma proposta de serviço, contendo prazos e tarefas para cumprir a demanda. Isso quer dizer que você escolhe os projetos nos quais quer trabalhar.
  • Flexibilidade de local: sendo um programador PJ, você poderá trabalhar de qualquer lugar que desejar, desde uma cafeteria perto da sua casa até em outro país.
  • Prestar serviço a várias empresas: você pode atender a mais de uma demanda, em mais de uma empresa, ampliando sua presença no mercado.

Fique atento!

Cuidado com empresas que exigem o cumprimento de horários ou alocação em suas dependências. Isso pode configurar vínculo empregatício.

Tendo isso bem claro, agora vamos conhecer algumas das principais desvantagens:

  • Sem direitos trabalhistas: você não terá FGTS, férias, plano de saúde, alimentação, final de semana remunerado e outros benefícios que o CLT proporciona.
  • Sem salário garantido ou fixo: ao mesmo tempo que seus ganhos podem ser mais altos, eles também tendem a ser menos estáveis, pois você ganha apenas por sérvio prestado. A dica é sempre reservar uma parte dos ganhos para uma emergência.
  • Mais trabalho: pode ser bastante estressante o acúmulo de tarefas, pois, além de programador, você também cuida do administrativo, financeiro, marketing e outros (como funções da vida pessoal mesmo).
  • Sem plano de carreira: não há um plano de carreira suportado por uma empresa, ou seja, seu crescimento depende apenas de você e dos seus contratos.
  • Requer disciplina: você não cumprirá mais horário, então, precisa se organizar para não virar refém das próprias tarefas e cumprir seus prazos.

E então, vale a pena ser um programador PJ?

De fato, existem algumas desvantagens que podem fazer com que você pense que não é bom ser um programador PJ. Contudo, esse conteúdo não é para desmotivar você e sim ajudá-lo a ter o melhor desempenho sem cair em armadilhas.

Então, saiba que é possível sim conseguir um excelente rendimento sendo um programador PJ. Muitos profissionais que adotam essa modalidade mantém uma boa qualidade de vida. Contudo, não é algo fácil chegar lá, porém, tampouco é impossível.

Ter uma boa experiência no mercado é um grande diferencial, havendo mais chance de sucesso para aqueles que já trabalharam internamente em empresas de boa reputação, pois ajuda a conseguir novos contratos como prestador de serviços.

Além disso, com o tempo, você pode expandir seus contratos até mesmo contratar pessoas para trabalharem para você, iniciando seu próprio negócio e escalando seus ganhos.

O fato é que cada uma das modalidades (CLT E PJ) possuem seus prós e contras, então, cabe a você estabelecer seus objetivos, determinar o que prefere e seguir aquilo que deseja.

Confira empresas para trabalhar remotamente

Gostou desse conteúdo? Está pensando em ser um programador PJ para trabalhar de casa? Confira esse post da NewRiide sobre Empresas que contratam para trabalhar remotamente.


Parcerias: Curso React Direto ao Ponto